quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Exposição ENREDADOS | SESC Engenho de Dentro


Minha trajetória nas artes visuais vem sendo norteada pelo despertar de atitudes sustentáveis, sensíveis e éticas nos seres humanos.


 Meu processo artístico consiste em adequar a visualidade dos materiais ao conceito de transformação explorando diversas possibilidades de associações formais, despertando os sentidos sensoriais do observador e sua memória afetiva diante de uma estética que o leve a divagar sobre si mesmo, seu habitat e as questões éticas e culturais que envolvem essa relação.
 No intuito de experimentar a multiplicidade das superfícies, investigo novas formas de expressão, utilizando a linguagem da cenografia, dos recursos de figurino, dos trabalhos das bordadeiras, das crocheteiras, das aderecistas de carnaval e de outros artífices que trabalham com tecidos, aviamentos e mãos, incorporando objetos às obras, reutilizando materiais descartáveis, intencionando criar uma poética não hermética, única e inédita, explorando as possibilidades nas quais o acaso algumas vezes interfere e é determinante na dialética.


Durante o processo criativo modifico retalhos de tecidos que sobram de confecções, sacolas plásticas e objetos descartados, utilizando técnicas de tingimento, pintura e tramas, de forma que esses materiais sofram uma transformação parcial sem que percam suas características básicas revelando assim sua natureza própria. Essa transformação permite recriar o objeto com nova função e estética. Frequentemente me aproprio de objetos de produção artesanal os quais modifico por meio de pintura, customização ou tingimento.
Eu procuro equilíbrio, delicadeza e harmonia no caos e excessos das informações visuais compiladas em cada obra. Arte inspirada pela influência externa, questões ambientais, culturais, éticas e estéticas, combinados com o meu mundo interior consciente e inconsciente, a minha história, meus pensamentos, minhas vivências, são todas as coisas que entram em relação uns com os outros na fruição das obras.

Do observador, espero o reconhecimento dos materiais e do conceito de transformação, provocando empatia ou estranhamento. As experiências estéticas e sensoriais intencionam estimular emoções, despertamentos, reflexões sobre paradigmas de forma e função dos materiais e objetos que utilizo e de padrões conceituais e culturais.
 Entrando psicologicamente no trabalho, o observador reconhece os elementos, tenta decifrar seus movimentos irregulares e dá novo sentido a sua multiplicidade formal e simbólica a partir dessa estética que o leva a divagar sobre si mesmo. A intenção construída no meu imaginário ganha forma e, ao se tornar publica é reconstruída sob outro olhar no imaginário de seus apreciadores, resgatando de sua memória afetiva antigas impressões sobre o fazer artístico e artesanal.


Nas instalações, objetivo estimular a participação direta do observador através de workshops e interações . Nessa relação permito-o desvendar os processos e materiais utilizados, seguido de questionamentos a respeito da natureza, da artificialidade, da verdade, da beleza, da ecologia, e das tradições culturais através de uma proposta estética.


A Exposição ENREDADOS aconteceu durante março e abril de 2014 na Unidade Engenho de Dentro do SESC Rio. 
Miriam Miranda

https://www.facebook.com/events/705847592768750/


2 comentários:

  1. Simplesmente fantástica. A visão da artista é completa, mostra o ser humano na sua totalidade.



    ResponderExcluir